segunda-feira, 25 de abril de 2011

Ibama endurece regras para criação amadora de aves

Magalhães: "Criar aves faz parte da minha vida"
Foto: Paulo Gonçalves/Folha da Região
As regras para a criação amadora de aves nativas brasileiras, da ordem dos passeriformes (aves canoras), estão mais restritivas, conforme instrução normativa lançada em dezembro do ano passado pelo Ibama.

A nova instrução limitou o máximo de 30 aves por criador amador. Antes, não havia limite. O instituto pretende dificultar a ação de criadores ilegais, que capturam animais na natureza para vender em mercados clandestinos.

Quem tiver mais aves terá até dezembro deste ano para transferi-las a terceiros ou mudar sua categoria para a de criador comercial. É o que pretende fazer o aposentado Marco Antonio de Almeida Magalhães, 63 anos, criador amador de pássaros canoros há mais de cinco décadas.

Para não ter que diminuir o plantel da família, composto por 250 pássaros, ele pretende se tornar o primeiro criador comercial de Araçatuba, cumprindo as exigências legais do Ibama.

PAIXÃO
Magalhães conta que a paixão por pássaros canoros começou quando ele tinha 6 anos de idade. Ele começou a adquirir conhecimento e hoje possui um dos maiores criatórios da cidade. O bicudo é a espécie preferida por ele, especialmente pelo canto. Todos os pássaros do criador possuem anilhas do Ibama, que atestam a regularização e a origem.

"Criar aves faz parte da minha vida", afirma Magalhães, que já venceu uma série de campeonatos de canto com seus pássaros. Um dos campeões do plantel é Zeus, um bicudo com mais de 14 anos criado pelo aposentado. A ave é valorizada entre os criadores pelo canto e "estilo valente". Além desta espécie, Magalhães cria caboclinho, coleira-do-brejo, patativa, corrupião, cardeal, entre outros.

AUTORIZADAS
Com a nova instrução normativa do Ibama, somente as seguintes espécies podem ser criadas com autorização do órgão: canário-da-terra, curió, bicudo-verdadeiro, coleiro-papa-capim, tico-tico, bigodinho, pichochó, azulão-verdadeiro, pintassilgo, trinca-ferro, graúna e sabiá-laranjeira.

As outras aves da fauna silvestre não podem ser reproduzidas, transacionadas e nem participar de torneios de criadores. Devem ser mantidas no plantel até o óbito, com comunicação e baixa no sistema do Ibama. As aves domésticas, como a calopsita, canário-do-reino, periquito-australiano, entre outras, não necessitam de qualquer registro.

CADASTRO
O escritório regional do Ibama em Araçatuba possui 3 mil criadores amadores cadastrados, sendo 552 em Araçatuba, 259 em Birigui, 121 em Penápolis, entre outras cidades. As cinco espécies mais criadas são o canário-da-terra, trinca-ferro, coleiro-papa-capim, curió e bicudo.

Em Araçatuba, existe a ACBA (Associação dos Criadores de Bicudos e Curiós de Araçatuba), composta por cerca de 80 associados. A entidade promove anualmente campeonato de aves canoras. Informações como sobre se tornar um criador amador de pássaros podem ser obtidas no Ibama.

5 comentários:

  1. como eu faço para criar canarios do reino

    ResponderExcluir
  2. como que eu faço para criar canários do reino

    ResponderExcluir
  3. E se pegar, ai vai aumentar o número de criadores clandestinos. O Ibama é o maior incentivador da captura e venda ilegal de pássaros silvestres. Tanto faz que não sai de cima do próprio rasto. Portanto, tenho dois casais de pássaros nascidos em cativeiro ilegais, no fundo de nossas casas, não legalizamos por conta da BURROCRACIA dos mesmos.

    ResponderExcluir
  4. Um senhor como este deveria era receber incentivo do IBAMA, e uma medalha de honra do Governo Federal. Vê que ele cria porque gosta, não é um vendedor clandestino, Sr. Magalhães, parabéns! o Senhor é o herói, já o ...

    ResponderExcluir