quarta-feira, 1 de junho de 2011

Tijolos de demolição integram a tendência ecológica

O arquiteto Celso Vieira afirma que diversas obras na região de Araçatuba estão incorporando a tendência ecológica, incluindo o uso de madeiras e tijolos de demolição.

"Tenho utilizado também nos meus projetos vidros refletivos. Eles controlam a entrada do calor sem restringir a luz natural, garantindo economia no consumo de energia elétrica", afirma.

Os materiais também estão mais ecológicos. Algumas das novidades são a argamassa ecológica, blocos de concreto reciclado, cimentos fabricados com resíduos industriais, descargas sanitárias com divisões para resíduos líquidos e sólidos, entre outros.

"Acho que temos que melhorar no item de redução de resíduos, sendo hoje o maior vilão da construção civil. Ainda vejo muito desperdício de material", afirma Vieira.

CISTERNAS
O arquiteto e urbanista Mauro Rico diz que o uso de cisternas para utilizar a água da chuva nos afazeres domésticos ainda é pouco explorado em Araçatuba, mesmo que este sistema seja apontado por técnicos como responsável por economizar de 8% a 12% do consumo residencial.

Sobre a questão dos custos de uma cisterna, Rico é categórico: "O viável tem que ser tudo que economizar os recursos naturais, ainda que o custo inicial seja um pouco elevado. Em médio e longo prazos, a pessoa já terá o retorno, mas o importante disso é o retorno moral e ético de você ser ecologicamente responsável."

O urbanista também lembra sobre a importância dos incentivos públicos, apontando a necessidade dos governos incentivarem essas práticas sustentáveis nas construções, especialmente com a concessão de descontos sobre os impostos relacionados ao setor habitacional.

Os aquecedores solares mais em conta podem ser achados no mercado a partir de R$ 850, com previsão de retorno total do investimento em economia na conta de energia em até dois anos.

Já as cisternas, sem considerar outros acessórios e custos com instalação, são comercializadas com valores em torno de R$ 5 mil, com previsão do retorno em pouco mais de quatro anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário