sábado, 7 de abril de 2012

Dentista registra 91 espécies de aves do Baguaçu

Briso registra imagens de espécies
Foto (Valvido Pereira/Folha da Região)
  
O interesse de um dentista por aves ajudou a identificar 91 espécies do Peba (Parque Ecológico Baguaçu), área de preservação e educação ambiental localizada próximo ao centro de Araçatuba. A diversidade dos pássaros que moram ou frequentam o local já era estimada pelos ambientalistas, mas o levantamento ajudou a dar real dimensão dessa riqueza.

Produzido pelo dentista e professor universitário André Luiz Fraga Briso, 38, o levantamento da avefauna, que recebeu o título de "O Reino de Coroa Azul", traz imagens, identificação popular e nome científico das espécies observadas. Os registros foram feitos em visitas periódicas não programadas, em horários variados e durante o ano de 2011, além dos meses de janeiro e fevereiro de 2012.

Udu-de-coroa-azul (Foto:André Briso)
De acordo com Briso, o número de 91 espécies registradas no Peba chamou a sua atenção. "Por ser uma área pequena e fragmentada do restante da mata ciliar do ribeirão Baguaçu, eu esperava encontrar um número pequeno de indivíduos por espécie. De fato, várias vezes eu fui ao parque e não consegui ver muitas aves. Porém, após 15 meses, foram identificadas 91 espécies", afirma.

As aves fotografadas pelo dentista são de espécies, hábitos, tamanhos e cores variados. Algumas podem ser consideradas raras, como a garça-real, espécie incluída na lista de animais ameaçados de extinção do Estado de São Paulo. Outras, como a cena captada de um anu-branco com um sapo no bico, primam pela beleza.

PRESERVAÇÃO
Anu-branco  (Foto:André Briso)   
O levantamento foi realizado sem empregar os métodos precisos normalmente utilizados pelos ornitólogos (especialista que estuda as aves), mas se presta para valorizar todo o empenho na manutenção e ampliação da área preservada. Segundo Briso, mesmo as espécies comumente encontradas habitam o parque com um número restrito de indivíduos, o que compromete a viabilidade de várias delas.

"O udu-de-coroa-azul, por exemplo, eu consegui avistar três casais em um único dia, mas não acredito que tenha muito mais que isso", diz o observador de aves. É justamente o udu que dá nome ao levantamento. "Sem dúvida é a espécie mais exuberante e que simboliza o Peba. Suas partes superiores são verdes, tornando-se azuis na cauda", explica o dentista.

Para nomear e identificar corretamente as 91 espécies, Briso utilizou seu conhecimento prévio, guias de campo, livros e sites. Na dúvida sobre algum pássaro, ele conta com o apoio de outros observadores de todo o País, que se reúnem em sites e comunidades virtuais. Um dos mais conhecidos é o Wikiaves (www.wikiaves.com.br).

OBSERVAÇÕES
Benedito-de-testa-amarela (Foto:André Briso) 
Briso destaca que teve apoio dos funcionários do Peba para realizar as observações, como do coordenador de educação ambiental do parque, o ecólogo Onédio Garcia. Mas, o apoio dos humanos não foi suficiente para impedir que alguns contratempos ocorressem por causa da "mãe natureza".

Arranhões, carrapichos, lama, picadas de pernilongo, de abelha e uma infestação de carrapatos-estrela foram algumas das situações enfrentadas pelo observador de aves no meio da mata.No entanto, nada disso é suficiente para diminuir nele o gosto pela observação. "É um hobby que exige concentração. Esta característica faz com que os momentos em que estou 'passarinhando' se bastam. Não há possibilidade de sair para campo e ficar pensando em outros problemas do dia a dia", afirma.

Choró-boi  (Foto:André Briso)
A paixão do dentista por aves surgiu na infância, mas a observação mais atenta aconteceu há 12 anos, quando ele morou no Estado do Mato Grosso e passou a visitar o pantanal com certa frequência. Já a atividade de fotografar os pássaros ocorre há três anos, a partir de um safári que ele fez na África. Nesta oportunidade, Briso pegou emprestado um equipamento fotográfico de um amigo e tomou gosto pela coisa. Hoje ele se considera um observador de aves, atividade que também recebe a denominação de Birdwatching.

VISITAÇÕES
O ecólogo Garcia diz que o levantamento das aves será útil para mostrar aos frequentadores do Peba a riqueza do espaço, que tem nove hectares. "A ideia é mostrar ao visitante o quanto uma mata pequena já ajuda na preservação das espécies", afirma. O parque recebe, em média, cerca de quatro grupos por semana, cada um com pelo menos 40 pessoas, além de outros que procuram o espaço individualmente.

Garça-real  (Foto:André Briso)
As visitas ocorrem de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h e das 13h às 17h. Como o parque é uma área de preservação permanente, orienta-se utilizar repelente contra mosquitos. O passeio pode ser agendado pelo telefone (18) 3625-2448. As fotos das aves feitas por Briso podem ser vistas no endereço eletrônico www.olhares.com/briso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário