segunda-feira, 14 de maio de 2012

Rio+20: 183 países estarão presentes


Ministra Izabella Teixeira diz que discussão
será para uma "geopolítica de desenvolvimento"
Foto: Divulgação/MMA
Dos 193 países que integram a ONU (Organização das Nações Unidas), 183 já confirmaram participação na Conferência Rio+20 e 135 já solicitaram direito de se pronunciar. A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, participou, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, de debate sobre o evento, que reuniu mais de 60 jornalistas dos veículos de comunicação brasileiros e estrangeiros.

Segundo a ministra, o papel da Conferência das Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), que acontece entre os dias 13 e 22 de junho, na capital fluminense, será o de viabilizar um compromisso formal das nações envolvidas em colocar a questão ambiental no centro das decisões sobre o desenvolvimento com inclusão.

GEOPOLÍTICA
A ministra salientou que, nesse sentido, o encontro já começou. "Não é mais a discussão de questões ambientais, mas de uma geopolítica do desenvolvimento", analisa. Para ela, todos os segmentos sociais fazem parte do debate global, que será sobre economia verde, sustentabilidade e combate à pobreza.

De acordo com a Izabella Teixeira, "temos (os participantes da  Rio+20) que ter a coragem de inovar". Ela acredita que os países em desenvolvimento estarão preparados para assumir metas de sustentabilidade até 2030. "Não nos interessa o modelo de desenvolvimento que foi adotado no passado pelos países desenvolvidos", salienta.

O engajamento da sociedade civil será um dos maiores legados do encontro, avalia a ministra. Até agora, além da Cúpula dos Povos e Arena Social e Ambiental, que ocorrem no aterro do Flamengo, já estão confirmados 500 eventos paralelos à conferência envolvendo vários setores.

PRESENÇAS
Em Brasília, foi confirmado que os presidentes Jacob Zuma (África do Sul) e Vladimir Putin (Rússia), além dos primeiros-ministros da Índia, Manmohan Singh, e da China, Wen Jiabao, estarão na Rio+20. No começo da semana, o presidente eleito da França, François Hollande, que elogiou a política social do Brasil, também confirmou sua vinda ao país para o evento.

Por enquanto, 116 chefes de Estado e de Governo informaram que estarão presentes às discussões. Muitos governos enviarão ministros e assessores para o evento por dificuldades com a agenda política interna. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, por exemplo, está em campanha pela reeleição.

CONSENSOS
O porta-voz do Itamaraty, embaixador Tovar Nunes, acrescentou ainda que, como anfitrião do evento, o Brasil tem o papel de ser promotor da busca de consensos. "Como anfitriões, os brasileiros devem servir como uma espécie de ponte entre as polarizações existentes, buscando a consolidação de uma agenda positiva", disse.

Nos debates que antecederam à conferência e durante a Rio+20, os brasileiros destacarão a necessidade de conciliar as questões relativas à preservação ambiental, ao desenvolvimento sustentável e à economia verde com inclusão social. As autoridades querem mostrar que os avanços registrados no país credenciam o Brasil para a proposta.

Nas discussões, os brasileiros também defenderão a participação de populações excluídas nos debates. Graças a isso, haverá um espaço exclusivo para esses grupos e para as organizações não governamentais no Aterro do Flamengo, no Rio, denominado Cúpula dos Povos. Com informações da Agência Brasil e do MMA

Um comentário:

  1. Os EUA e China maiores consumidores de revervas naturais e responsável por 70% da poluição mundial não tinham interesse na Eco 92 e agora 20 anos depois não vão diminuir pois estão em recessão economica.

    ResponderExcluir