segunda-feira, 8 de abril de 2013

Ibama libera caça do javaporco; região tem focos do animal

Animal foi considerado exótico, invasor e nocivo
Foto: Divulgação/Ibama
O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) liberou este ano a caça controlada de javalis e de seu híbrido com o porco doméstico, popularmente chamado de javaporco. O abate precisa ser comunicado previamente à autarquia federal. Na região de Araçatuba, os focos do bicho causam prejuízos à agropecuária, meio ambiente e risco de acidentes com o ser humano.

A regra vale desde fevereiro, quando instrução normativa do Ibama considerou os javalis e seus mais diferentes graus de cruzamento com o porco doméstico como animais exóticos, invasores e nocivos. Assim, autorizou o controle populacional da criatura por meio do abate, da captura seguida de eliminação e da eliminação direta, incluindo uso de arma de fogo.

No entanto, só poderão caçar javalis as pessoas que tiverem inscrição junto ao Ibama. Dois moradores de Araçatuba já estão inscritos no escritório regional da autarquia, que recebeu dezenas de contatos de pessoas sobre o assunto depois da normativa. Sem o comunicado prévio, quem matar o bicho comete crime ambiental, cuja pena é detenção de seis meses a um ano e multa, no valor de R$ 500,00 por indivíduo abatido.

Nos últimos anos, bandos de javaporco foram avistados em Araçatuba, Santo Antônio do Aracanguá, Guararapes, Bilac, Santópolis do Aguapeí e Valparaíso, conforme autoridades ambientais ouvidas pela Folha da Região. O engenheiro florestal Ernesto Sawaeda, que estuda o bicho na região, conta que ao menos um ataque ao ser humano foi registrado.

"Há cerca de quatro anos, um javali saiu do meio de um canavial, em Santópolis do Aguapeí, atacando e ferindo um cortador de cana no meio da lavoura. O relato é que o bicho quase decepou a perna do rapaz, mas ele sobreviveu", conta o engenheiro.

MUTANTE
Sawaeda alerta que a situação é muito grave e merece atenção máxima das autoridades. "Hoje estamos lidando com um mutante. O javaporco se adaptou ao ambiente em pouco tempo, algo que demora centenas ou milhares de anos para acontecer com outras espécies", alerta.

Em uma propriedade rural de Araçatuba, com acesso pela vicinal Jocelim Gottardi, javaporcos são apontados como responsáveis por danos às plantações de cana-de-açúcar e milho, além de destruir árvores recém-plantadas em área de preservação permanente. Eles estão sendo observados pelos funcionários do local há quase um ano.

"O bando deve ter cerca de 30 javalis, que se alimentam daquilo que encontram pela frente, como o milho, a cana e as pequenas árvores. Não temos nem ideia de onde esses bichos vieram, mas todos da região estão em alerta por causa do risco de ataques", diz o operador de máquinas Valdomiro Quirino de Almeida, 46 anos, que trabalha na fazenda e não descarta que poderá ser necessário caçá-los.

CRIAÇÃO
De acordo com o Ibama, em 1996 e 1997 foram realizadas importações de javalis puros originários da Europa e do Canadá, destinados para criadouros comerciais nos Estados de São Paulo e do Rio Grande do Sul. Apesar de a carne exótica agradar ao paladar de muitas pessoas, o custo para engorda desestimulou os criadores. Em média, o valor é três vezes maior do que com o porco comum.

O consenso é que a presença deste bicho na natureza se deu porque escaparam do cativeiro ou mesmo pela soltura deliberada, com propósito de caça. A agressividade, a facilidade de adaptação e a ausência de predadores na cadeia natural levam o javaporco a figurar na lista das cem piores espécies exóticas invasoras do mundo, conforme a União Internacional para Conservação da Natureza.

O javali é um porco selvagem originário da Europa, Ásia e norte da África. O animal tem aproximadamente 1,30 metro de comprimento e pesa cerca de 80 quilos. O adulto possui presas afiadas saindo pelo canto da boca e longos pelos de cor preta. Já o javaporco possui coloração variada, podendo atingir até 250 quilos.

Um comentário:

  1. o ibama tem que liberar a caça . mas tambem liberar a arma . menos burrogracia na liberaçao de arma de caça.
    pss.... nao sou bandido sou caçador.

    ResponderExcluir