segunda-feira, 24 de junho de 2013

Vandalismo freia arborização de corredores comerciais

Rua do Fico em dois momentos: 2002 (esq.) e 2013
Foto: Reprodução
Onze anos seria tempo suficiente para plantar e ver a copa das árvores se encontrando nas vias mais movimentadas da cidade. Com exceção da avenida da Saudade, onde o espetáculo já pode ser conferido, pouca coisa mudou na arborização dos principais corredores comerciais de Araçatuba. O poder público alega que o vandalismo foi um dos vilões para esta estagnação.

De acordo com o secretário Jorge Hector Rozas, as tentativas de arborizar as vias de comércio e grande circulação de pessoas esbarraram, na maior parte, na destruição dos exemplares pouco tempo depois do plantio. Em alguns locais, o vandalismo chegou a comprometer oito entre cada dez mudas inseridas. Para combater o problema, ele diz que foi preciso mudar a estratégia.

No mês passado, a pasta pública estabeleceu um protocolo de intenções com o Clube da Árvore para que a entidade proceda com plantios nesses locais. A diferença é que a ONG irá buscar a iniciativa privada para conseguir grades de proteção para as mudas, diminuindo o risco de perdas por causa de vandalismo.

RUA DO FICO
Uma das vias que está no foco das ações para este ano é a rua do Fico, cuja arborização, ou a falta dela, praticamente se manteve inalterada entre 2002 e 2013, conforme imagens aéreas disponibilizadas pelo Google Earth. Também estão na programação a avenida Brasília e a rua Marcílio Dias.

Estudo elaborado pelo município mostra que a Araçatuba possui 8% do índice de cobertura vegetal. A meta é chegar a 30% até 2020, concentrando as espécies de grande porte nas áreas verdes e praças e as de pequeno e médio portes em calçadas.

Rozas também diz que a legislação ambiental é um instrumento importante no processo, indo da norma que prevê arborização nos novos empreendimentos à lei que proíbe a poda e o corte sem autorização. “O olhar local apodera a sociedade. Se não cuidamos da calçada, da rua e do bairro onde vivemos, não compreendemos a responsabilidade que está ao nosso alcance”, considera.

OBRAS
Vem do homem algumas das mudanças mais perceptíveis da paisagem urbana de Araçatuba. A expansão imobiliária na zona norte de 2002 a 2013, captada pelas imagens de satélite, é ilustrada pelo surgimento de novos bairros, sendo o Habiana 2, Delta Parque e Terra Nova alguns deles.

As imagens também lembram as intervenções feitas na Lagoa das Flores, no Jardim América, para tentar conter os frequentes transbordamentos no local. No final de 2011, a Prefeitura começou a alargar a lagoa com a proposta de que ela comportasse maior volume de água. Pelos registros aéreos de 2013, o local tem praticamente o dobro do tamanho em comparação ao que era em 2002.

Um comentário:

  1. Arborização efetiva só de uma forma: uma rua, duas calçadas. Na calçada com postes de iluminação pública, nenhuma árvore. Na calçada em que não há os postes, tem que ter as árvores, independentemente da vontade e interesses outros.

    ResponderExcluir